Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia

Avaliação da intensidade e da extensão das alterações térmicas produzidas pela cirurgia de alta freqüência no colo uterino.

Nabiha Saadi Abrahão Taha

Taha, N S A. Avaliação da intensidade e da extensão das alterações térmicas produzidas pela cirurgia de alta freqüência no colo uterino. São Paulo, 1999. Dissertação (mestrado)– Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo.

Com a finalidade de estudar a ocorrência de dano térmico tissular nos espécimes excisados por cirurgia de alta freqüência e avaliar qualitativa e quantitativamente o dano térmico sobre o epitélio ectocervical e o endocervical e a provável influência do estado menstrual sobre sua gênese estudou-se prospectivamente 100 pacientes com lesão intra-epitelial de alto grau.

Qualitativamente o dano térmico foi subdividido em três graus de acordo com MESSING (1994): grau I leve alteração térmica permite avaliação histopatológica, sem dificuldade; grau II presença de moderada alteração térmica avaliação histopatológica duvidosa; grau III intenso dano térmico não permite avaliação histopatológica.

A extensão do dano térmico foi medida através do sistema computarizado de análise digital de imagem, Kontron Imaginig System KS 300.

A análise estatística permitiu avaliar que o dano térmico ocorre em todos os casos, porém em 91% das vezes é insignificante permitindo a correta avaliação histopatológica; não há necessidade de fazer a mensuração do dano térmico; a extensão da alteração térmica tissular é maior sobre o epitélio endocervical e que o grau e a extensão do dano térmico tissular não guarda qualquer relação com o estado menstrual.