Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia

Diagnóstico da infecção por Papilomavírus Humano: relação entre a peniscopia e a histopatologia das lesões acetobrancas da genitália masculina

Gerson Botacini da Dôres

DÔRES, GB. Diagnóstico da infecção cérvico-vaginal por Papilomavirus Humano. Valor da colposcopia, citologia e da histopatologia como métodos diagnósticos. São Paulo, 1989. Dissertação (mestrado)– Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo.

Objetivando estudar a infecção cérvico-varginal pelo HPV com relação a acurácia diagnóstica dos métodos colposcópico, citológico e histopatológico, avaliaram-se 476 pacientes.

Os resultados obtidos foram submetidos à análise estatística pelo teste Q de COCHRAN, com a finalidade de estudar a concordância entre os métodos. Por estes apresentarem discordância significante entre si, o teste foi complementado pelo de MC NEMAR.

Com relação à colposcopia, esta foi positiva em 87,7% dos casos, sendo a zona de transformação atípica o achado mais freqüente e o epitélio branco seu principal representante. Na mucosa vaginal, a colpite papilar foi o achado mais comum.

No que concerne à citologia, esta foi positiva em 76,9% dos casos. Ressalta o autor que, para aumentar a acurácia diagnóstica deste método, devem-se levar em consideração, além da coilocitose, outros aspectos citológicos encontrados, ou seja, coilocitose mínima, disqueratose, discariose, binucleação e multinucleação.

O exame histopatológico foi positivo em 81,9% dos casos.

Conclui o autor, que os três métodos diagnósticos estudados, são estatisticamente discordantes entre si, todavia são complementares e eficientes.