Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia

Soroprevalência de treponema pallidum, hepatite b, HIV e infecções cervicovaginais em mulheres com alterações cervicais HPV induzidas

Ana Elisa Dias
Orientadora: Profª. Drª. Sophie Françoise M. Derchain
Co-orientadora: Profª. Drª. Eliana Amaral

DIAS, AE. Soroprevalência de treponema pallidum, hepatite B, HIV e infecções cervicovaginais em mulheres com alterações cervicais HPV induzidas Campinas, 1999. Dissertação (mestrado) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas.
O objetivo deste estudo foi avaliar a soroprevalência de sífilis, hepatite B e HIV e as infecções cervicovaginais em mulheres com diagnóstico colpocitológico de alteração citopática HPV induzida, segundo as características sociodemográficas e reprodutivas. O desenho metodológico é de um estudo descritivo de corte transversal. Após consentimento livre e informado, incluíram-se no estudo 121 mulheres, de 15 a 45 anos, sexualmente ativas, não grávidas, encaminhadas ao Ambulatório de Patologia Cervical do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM), da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), por alterações sugestivas de lesão pré-neoplásica HPV induzida, no resultado da colpocitologia, e cuja colposcopia apresentou alguma área suspeita no colo uterino, para biópsia. Todas as mulheres responderam a um questionário referente às características sociodemográficas e reprodutivas. A seguir, foram submetidas a exame clínico e ginecológico, medida do pH vaginal com fita colorimétrica e colposcopia, com biópsia dirigida, das lesões suspeitas para estudo histológico. Realizaram-se bacterioscopia do conteúdo vaginal a fresco e corada pelo Gram, imunofluorescência direta para Chlamydia trachomatis e cultura para Neisseria gonorrhoeae de material da endocérvice e solicitaram-se sorologias para sífilis, hepatite B e HIV. Para análise estatística, utilizaram-se os métodos de Qui-quadrado com correção de Yates, quando necessário, ou o teste exato de Fisher para tabelas 2×2, com limite de confiança de 95%. Na população estudada não se observou nenhum caso de sífilis. Cinco mulheres, sem sinais clínicos ou antecedentes para sífilis, tiveram teste VDRL positivo, com título 1:4 e TPHA negativo, considerados como resultados falso – positivos. A sorologia para hepatite B foi reagente em 14 casos. Apenas três mulheres foram soropositivas para HIV, no momento da admissão para a pesquisa. A infecção cervicovaginal de maior prevalência foi a vaginose bacteriana (32%). Somente quatro casos apresentavam Candida sp e outros quatro casos tinham Trichomonas vaginalis. Em relação às infecções cervicais estudadas, nove mulheres apresentavam Chlamydia trachomatis e nenhuma apresentou Neisseria gonorrhoeae. Não houve associação entre os fatores sociodemográficos e reprodutivos avaliados e as DST e infecções cervicovaginais. Concluímos que a prevalência de hepatite B e das diversas infecções do trato genital inferior é alta em mulheres com HPV ou NIC devendo ser pesquisadas sistematicamente, pois fatores epidemiológicos não permitem selecionar um grupo de maior risco.