Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia

(Lesão de alto grau) Achados histológicos após biópsia colposcópica mostrando NIC2

Massad LS, Collins YC, Cejtin HE. Histologic findings after a colposcopic biopsy showing CIN2. Journal of Lower Genital Tract Disease 2002, 6:23-6.

Através de estudo retrospectivo, avaliou-se 119 mulheres com resultado de biópsia dirigida pela colposcopia neoplasia intra-epitelial cervical escamosa grau 2 (NIC2). A média etária das mulheres foi de 33 anos e procedimentos adicionais foram realizados nas 119: nova biópsia colposcópica em 11 (9%), excisão por cirurgia de alta freqüência em 84 (71%), conização clássica em 21 (18%) e histerectomia em 3 (2%).

Os resultados subsequentes revelaram: nenhuma lesão em 14 (12%), atipia escamosa ou coilocitose em 21 (18%), NIC1 em 25 (21%), NIC2 em 26 (22%), NIC3 em 3 (2%) e câncer em 3 (2%). Aproximadamente metade das mulheres com biópsia NIC 2 tiveram avaliação subsequente com doença da mesma severidade ou mais grave. Entretanto, 30% não tiveram NIC identificada. Câncer invasor foi descoberto em 2%, mas apenas em mulheres com idade superior a 33 anos e junção escamocolunar insatisfatória. Após uma biópsia mostrando NIC2, completa visualização da junção escamocolunar não exclui NIC 3, mas parece excluir câncer.

Os autores aconselham:

Seguimento em mulheres jovens e com colposcopia satisfatória se a paciente concordar após esclarecimento de risco oculto de NIC3. Optar por tratamento em pacientes jovens que possuem maior risco de perda de seguimento.
Tratamento com excisão e/ou cauterização nas mulheres mais velhas mais velhas e com colposcopia satisfatória
Tratamento com excisão por cirurgia de alta freqüência ou conização clássica em de todas as mulheres com colposcopia insatisfatória (junção escamocolunar não identificada) para se excluir câncer invasivo.