Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia

Propionato de clobetasol no tratamento do líquen escleroso vulvar. efeitos clínicos e histopatológicos

Bovo, AC. P ropionato de clobetasol no tratamento do líquen escleroso vulvar. efeitos clínicos e histopatológicos. São Paulo, 1996. Dissertação (mestrado)– Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo.

Analisaram-se os efeitos clínicos e histopatológicos da aplicação tópica contínua do propionato de clobetasol (0,05%) sob a forma de creme, no líquen escleroso vulvar. Para tanto, selecionaram-se 10 pacientes (idade média de 61,2 anos) com diagnóstico clínico confirmado por biópsia.

Ao final de 30,60,90 e 120 dias, foram anotadas a freqüência de episódios de prurido e as características clínicas e hitopatológicas das lesões.

Observou-se redução significativa do prurido a partir de 30 dias, a sua ausência em oito casos, no final do tratamento. Houve remissão completa da hipocromia em três pacientes aos 60 dias e, em oito, aos 120. Hiperemia e retardo na cicatrização dos pontos de biópsia ocorreram em todos os casos.

O estudo histopatológico dos fragmentos de biópsia demonstrou redução significativa de hiperqueratose, hipergranulose e degeneração da camada epitelial basal na epiderme. Na derme, constatou-se redução da hialinização superficial e do infiltrado inflamatório. Observou-se, ainda, reaparecimento de melanócitos na camada basal do epitélio e aumento do número de capilares na derme superficial. Em relação à atrofia, observou-se sua acentuação aos 30 e 60 dias; o que ocorreu aos 90 e 120 dias.